sexta-feira, 24 de junho de 2022

Artigo – Gerenciamento de Riscos: Divisor de águas – Ed. 362

Requisitos de segurança são implementados durante o ciclo de vida de projetos de satélites

O ambiente de trabalho na área espacial oferece inúmeros riscos aos trabalhadores provocados por agentes físicos, químicos, ergonômicos e inclusive psicossociais, o que pode ser evidenciado pelo enorme número de acidentes graves ocorridos na área espacial conhecidos do público em geral. Alguns deles se tornaram filmes famosos, como o caso da falha da missão Apollo 13.

Durante seu famoso discurso perante o Congresso em 25 de maio de 1961, o presidente John F. Kennedy disse: “Acredito que esta nação deve se comprometer a atingir o objetivo de, antes do final desta década, pousar um homem na Lua e devolvê-lo em segurança à Terra”. Nesse discurso, foi colocado um objetivo para a comunidade espacial que era ao mesmo tempo excitante e quase impossível. O fato de enviar homens à Lua e trazê-los de volta em segurança foi uma combinação de trabalho duro e de extrema boa sorte. Apenas o ato de levar os homens para fora da Terra e para o espaço é uma das empreitadas mais perigosas já tentadas.

Para diminuir o risco de acidentes, as empresas que atuam na área espacial conduzem extensas atividades de segurança como parte de suas responsabilidades gerais de garantia de missão, destacando as percepções de segurança coletadas a partir de acidentes ocorridos no passado.


Dados dos autores:

Andreia F. Sorice Genaro – Engenheira Química, engenheira de Segurança do Trabalho, mestre em Engenharia Aeronáutica e Mecânica e doutora em Engenharia e Tecnologia Espaciais, chefe do Serviço de Planejamento e Controle da Coordenação de Gestão de Projetos e Inovação Tecnológica do INPE
[email protected]

Felipe Baffi de Carvalho – Mestre de Ciências com ênfase em Vibração Ocupacional de Corpo Inteiro, bacharel em Engenharia de Minas e pós-graduado em Engenharia de Segurança do Trabalho pela Universidade de São Paulo.
[email protected]

Eduardo César Sansone – Engenheiro de Minas pela Universidade de São Paulo, mestre em Engenharia Mineral pela Universidade de São Paulo e doutor em Engenharia Mineral pela Universidade de São Paulo; especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho pela Universidade de São Paulo, professor da Universidade de São Paulo nos cursos de Engenharia de Minas e Engenharia de Petróleo

Confira o artigo completo na edição de fevereiro da Revista Proteção.


Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui