MPT se manifesta a respeito de nota emitida pela Secretaria do Trabalho sobre revisão das NRs

O MPT (Ministério Público do Trabalho) se manifestou hoje, dia 5 de maio, sobre a nota de esclarecimento emitida pela Secretaria do Trabalho referente ao processo de revisão das Normas Regulamentadoras de SST. Confira abaixo o texto completo:


O Ministério Público do Trabalho (MPT), por intermédio da Comissão de Acompanhamento do Processo de Revisão das Normas Regulamentadoras, manifesta sua perplexidade diante da nota do site da Secretaria do Trabalho reproduzida na Revista Proteção, em 30 de abril de 2020, em matéria intitulada “Secretaria do Trabalho emite nota de esclarecimento sobre processo de revisão das NRs”.

Na referida manifestação da Secretaria do Trabalho consta, de forma inadvertida, que o MPT teria postulado, em ação civil pública que combate irregularidades no procedimento de revisão de normas regulamentadoras (NRs), “argumentos falsos para tentar convencer que o objetivo da revisão é desproteger os trabalhadores”, notadamente no que se refere às circunstâncias que envolvem a revisão do Anexo 14, da NR 15, que trata sobre o adicional de insalubridade por exposição a agentes biológicos.

Conforme consta do sítio eletrônico da Fundacentro, entidade de pesquisa que integra a bancada do Governo na Comissão Tripartite Permanente Paritária (CTPP), foi disponibilizado para consulta pública, ocorrida entre 19 de novembro e 18 de dezembro de 2019, o “Estudo Técnico – Anexo 14 da Norma Regulamentadora nº 15 – Agente Biológicos”, o qual conclui, peremptoriamente, que “não é possível unicamente revisar e atualizar o Anexo 14 vigente, mas que ele deve ser revogado na íntegra” (grifou-se). É clara e real, portanto, a discussão aberta sobre a revogação do Anexo 14 e seus efeitos deletérios sobre o adicional de insalubridade fundado nesses riscos.

Faz-se imperativo gizar que a consulta pública predita foi disponibilizada no sítio eletrônico Pariticipa.br, onde são realizadas todas as consultas públicas do processo de revisão das NRs, gerando inclusive publicações nas páginas eletrônicas de órgãos e instituições de defesa e promoção da saúde e segurança do trabalho, tais como o Diesat e Anamt.

À toda evidência, a manifestação da Secretaria do Trabalho veiculada em renomada revista especializada omite, de forma lamentável, textos técnicos da Fundacentro e procedimentos de consulta pública que têm sido adotados pela própria CTPP para fins de revisão das NRs. Nesse proceder, a Secretaria do Trabalho acaba por corroborar ao público em geral as inconsistências formais e materiais do processo de revisão das NRs apontadas fundamentadamente nas alegações técnicas e provas documentais articuladas pelo MPT, que foram reputadas idôneas pelo Poder Judiciário para conceder parcialmente a tutela liminar.

Diante do exposto, reafirma o MPT que Ação Civil Pública nº 0000317-69.2020.5.10.0009 se fundamenta em evidências técnicas sobre reiterados descumprimentos das garantias formais estabelecidas em prol de toda a sociedade, bem como de violações a direitos fundamentais assegurados pela Constituição da República de 1988 e reitera sua vocação institucional ao diálogo democrático para afirmação da ordem jurídica e dos direitos sociais e individuais indisponíveis.

Artigos relacionados

Revisão das Normas Regulamentadoras pode desacelerar

Por Raira Cardoso/Jornalista da Revista Proteção A última reunião da CTPP (Comissão Tripartite Paritária Permanente) ocorreu por meio de...

Portaria possibilita prorrogação da validade dos CAs de respiradores de adução

Por Martina Wartchow/Jornalista da Revista Proteção Publicada dia 30 de junho no Diário Oficial da...

Coronavírus: MPT aponta inconsistências na Portaria Interministerial destinada ao setor de frigoríficos

Fonte: MPT/Rio Grande do Sul O Ministério Público do Trabalho (MPT) diverge da portaria interministerial que dispõe sobre prevenção,...

Portaria institui novo Subsecretário de Inspeção do Trabalho

Por Raira Cardoso/Jornalista da Revista Proteção A Portaria nº 15.218, publicada no Diário Oficial da União hoje (29), designou...

4 COMENTÁRIOS

  1. Fica-se perplexo, quando a Secretaria do Trabalho tem o intuito de revogar na íntegra o Anexo 14 (AGENTES BIOLÓGICOS) da NR 15.

  2. O MPT é respeitado e faz um trabalho necessário e excepcional, agora precisa colaborar mais as mudanças são necessária, não se pode falar em progresso com normas criadas á décadas e que em muitos pontos não protegem mais os trabalhadores como a própria NR 15, A empresas com maior compromisso com a SST recorre a fundacentro e ACGIH etc. para de fato proteger os trabalhadores.

  3. Cabe salientar que a Bancada dos Trabalhadores na CTPP foi contra a exclusão do adicional de insalubridade por exposição ao agente físico calor em atividades externas (a céu aberto) por várias razões, incluindo as técnicas e legais. Outra questão importante que não se comentou em nenhuma das discussões é que em 2018, quando o Governo apresentou a proposta técnica para a revisão do Anexo 3 da NR-15 em 06/07/18, ela (a proposta) estava de acordo com a NHO 06 – edição revisada de 2017, sendo que o adicional de insalubridade atingia a exposição acima dos limites de tolerância para todos os ambientes. O objetivo de aplicação do Anexo 3 da NR-15 era o seguinte:1. Objetivos – 1.1 Estabelecer critério para caracterizar a condição de trabalho insalubre decorrente da exposição ocupacional ao calor.

  4. Tudo que estão mudando é só pra beneficiar os empregadores porque nós trabalhadores sempre ficamos no prejuízo infelizmente

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui