quarta-feira, 10 de agosto de 2022

Artigo – Proteção Respiratória: Desprotegidos na saúde – Ed. 367

Estudo avalia eficiência de respiradores para profissionais da linha de frente da Covid-19

Um surto provocando infecções respiratórias ocorrido na cidade de Wuhan, na China, no final do ano de 2019, alertou especialistas das mais diversas áreas da saúde para o que poderia ser uma nova cepa de coronavírus que até então, não era identificada em seres humanos, o SARS-CoV-2. Posteriormente, em 30 de janeiro de 2020, a OMS definiu esse surto de coronavírus como uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional. De acordo com o regulamento sanitário internacional, este é o nível mais alto de alerta da OMS.

O SARS-CoV-2 é da família dos coronavírus, que são vírus de RNA de filamento simples de sentido positivo com um nucleocapsídeo de simetria helicoidal. Os coronavírus foram amplamente identificados como causadores de infecções respiratórias e intestinais em humanos após um surto de síndrome respiratória aguda em Guangdong, na China em 2002 e 2003

Da mesma forma que os outros coronavírus, SARS-CoV-2 também parece ser transmitido aos seres humanos em locais de comercialização e consumo de animais selvagens. Contudo, a fonte zoonótica da transmissão do novo coronavírus ainda não está clara.

Em 11 de março de 2020, a Organização Mundial da Saúde declarou ao mundo a Covid-19 como uma pan­demia, o vírus alastrou-se pelo planeta rapidamente, ocasionando uma corrida para a busca de  insumos e equipamentos para o tratamento de pacientes infectados bem como para a proteção dos trabalhadores da saúde, que lidam diariamente e diretamente com alto risco de contaminação pela doença.

De acordo com a transmissibilidade do vírus, que se dá através de  bioaerossois emitidos por uma pessoa infectada e aspirada pelas vias aéreas superiores por uma pessoa saudável, a proteção respiratória tem se tornando cada vez mais importante e evidente quando se trata de aspectos relacionados à biossegurança, principalmente para os trabalhadores da linha de frente da Covid-19.

Diante de todo esse contexto, houve uma escassez de EPIs para suprir as demandas desses trabalhadores fazendo com que os estabelecimentos de saúde adotassem em suas rotinas de trabalho a reutilização racional de respiradores que, a princípio, são descartáveis após uma única utilização. Para garantir a efetividade da proteção respiratória por parte dos usuários de EPRs, faz-se necessária a realização do ensaio de vedação desses respiradores,  haja vista que a anatomia do rosto dos seres humanos possui diferenças que podem influenciar significativamente na vedação, ocasionando a respiração de contaminantes oriundos dos ambientes e processos de trabalho.

Dados do autor:

Thiago Wendt Antunes – Engenheiro Especialista em Segurança do Trabalho, em Ergonomia, em Higiene Ocupacional e Pós-Graduando em Engenharia de Tráfego. Professor dos Cursos de Pós Graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho da Univiçosa e do Centro Universitário de Caratinga – UNEC, Instrutor Técnico do Curso de Edificações e Segurança do Trabalho – Ubá/MG

[email protected]

Confira o artigo completo na edição de julho da Revista Proteção.


Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui