quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Prêmio Proteção Brasil 2018 – Cases Atuação da CIPA

PREFEITURA DE PARATY

Inovação e envolvimento

Pensar além das exigências da NR 5 é um ponto em comum entre os vencedores na categoria Atuação da CIPA do Prêmio Proteção 2018. Em contextos extremamente distintos, as organizações mostraram, de forma criativa, que qualquer empresa ou instituição pública pode mudar a realidade dos ambientes de trabalho se investir na Comissão Interna de Prevenção de Acidentes.

Os ganhos de uma CIPA autônoma vão muito além de uma ajuda, também importante, para os profissionais do SESMT (Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho). Eles se estendem até os trabalhadores, resultando na prevenção e mitigação de riscos.

A seguir, conheça duas iniciativas fluminenses simples, mas inovadoras. A primeira levou conscientização entre os servidores da Prefeitura Municipal de Paraty/RJ conquistando a distinção Ouro na categoria Atuação da CIPA e também foi considerado o Melhor Case da Região Sudeste. A segunda tem contribuído para a marca de zero acidentes na fábrica da Nissan do Brasil de Resende/RJ e garantiu a Prata na mesma categoria.

A construção de uma CIPA engajada e presente no dia a dia dos trabalhadores motivou o desenvolvimento do trabalho `PartiCIPAtiva e o Programa de Melhoria da Cultura de Segurança’, que rendeu a distinção Ouro para a Prefeitura Municipal de Paraty/RJ. Durante a apresentação do case no Congresso Brasileiro de Saúde e Segurança no Trabalho, em agosto, o engenheiro de segurança Fabricio Taucita, integrante do SESMT da instituição, comentou sobre os desafios para fortalecer a SST num órgão público – especialmente em um momento de contenção de despesas e descrença no Governo.

“Nossos dois grandes diferenciais foram fazer com que a CIPA fosse autônoma em seus processos de segurança, para que conduza com excelência o processo de gestão; e criar um Programa no qual conseguimos mensurar o nível de cultura de segurança de cada trabalhador, e, com isso, definimos ações estratégicas para a melhoria dos resultados de SST”, resumiu Taucita.

O Programa ganhou o nome de MCS (Melhoria da Cultura de Segurança), e foi pensado para a promoção da mudança de atitude entre os servidores públicos. Para avaliar o conhecimento e aplicação da SST na Prefeitura, foi criada uma pesquisa com base em sete aspectos da cultura de segurança: gestão, comunicação, participação dos trabalhadores, formação/informações, motivação, observação de procedimentos de segurança, e organização e aprendizagem.

Para a execução do MCS, a CIPA atuou em seis pilares, utilizando ferramentas de gestão empresarial como matriz SWOT (para determinar forças e fraquezas) e Diagrama de Pareto (gráfico que permite a análise da frequência de ocorrências, para classificação e priorização de problemas). Após a definição da amostragem; aplicação da pesquisa; lançamento da pesquisa; resultado consolidado e análise dos gráficos, os cipeiros alcançaram o último passo do planejamento, montando um plano de ação com base nos dados colhidos.

Um dos produtos dessas ações foi o ICS (Índice de Cultura de Segurança), dividido em quatro níveis. A partir de questionários aplicados junto aos trabalhadores de forma anônima, a equipe da CIPA verificou a necessidade de construir uma cultura de SST na autarquia, pois a maioria dos respondentes (36%) demonstrou que se encontra no Nível 1 (Cultura inexistente), e outros 28% indicaram o Nível 2 (Tomada de consciência). Os níveis 3 (Evolução do modo de pensar), 4 (Evolução do comportamento) e 5 (Cultura estabelecida) tiveram, respectivamente, 13%, 9% e 5% das respostas.

GESTÃO

Mas o Programa MCS não seria possível sem uma equipe organizada, comprometida e dedicada à proteção dos 1.716 servidores municipais, atuantes em 68 ambientes de trabalho distribuídos por 928,5 Km2. Apesar de a Prefeitura estar enquadrada no grau de risco 1 pela NR 4 (SESMT), há trabalhadores em atividades de risco como trabalho em altura, espaço confinado, serviços hospitalares e atendimento em situações emergenciais, como incêndios e catástrofes. Por isso, era fundamental dar subsídios para que os 12 integrantes da CIPA pudessem tomar a frente pela SST, realizando vistorias e apoiando esses trabalhadores.

Para tanto, foi implantado um novo sistema de Gestão da CIPA, formado por ações de treinamento, capacitação e comunicação. Uma das principais vantagens evidenciadas neste case é a possibilidade de aplicação em qualquer organização, seja ela pública, privada, de grande, médio ou pequeno porte.

Num exercício de empatia, o conteúdo do treinamento exigido na NR 5 para a Comissão foi enriquecido com temas diferenciados – responsabilidade civil e criminal decorrente de acidente de trabalho, prática de primeiros socorros, liderança e motivação. Cada órgão que integra a Prefeitura de Paraty participou do projeto, desenvolvendo materiais e aulas teóricas e práticas segundo sua especialidade. A Secretaria de Saúde, por exemplo, ministrou treinamento sobre doenças sexualmente transmissíveis e AIDS, enquanto a equipe de Assistência Social abordou a conscientização sobre os riscos psicossociais.

A iniciativa contou também com o apoio de outros serviços públicos, a exemplo do Corpo de Bombeiros, que promoveu atividades práticas para prevenção e combate a incêndios.

Na área de comunicação, a criação do canal INFOCIPA, e-mails para sugestões e inclusão da CIPA na página inicial do site da Prefeitura merecem destaque, pois foi por meio dessas estratégias que a organização rompeu barreiras como a distância geográfica entre os postos de trabalho e as dificuldades para estabelecer uma relação de confiança e proximidade entre os membros da Comissão e os demais servidores.

O resultado foi a reestruturação da aprendizagem e maior assimilação dos conteúdos pelos cipeiros. O próximo passo foi construir um plano de ação junto aos integrantes da gestão 2017/2018 da CIPA, com foco nos principais problemas observados nos ambientes de trabalho, atendimento à legislação e acompanhamento mensal das ações.

“Somos uma equipe vencedora, não apenas pelo reconhecimento do Prêmio Proteção, mas por termos criado, internamente, um programa inovador. Nossa maior vitória, porém, está sendo melhorar as condições de trabalho e proporcionar um ambiente saudável e seguro aos nossos servidores”, concluiu o engenheiro de segurança Fabricio Taucita.

NISSAN DO BRASIL

Comprometimento faz um time forte

Uma CIPA mais atuante também marca o case que conquistou a Prata na categoria. O trabalho, chamado `Juntos somos mais fortes’, levou conscientização e aumentou o envolvimento dos profissionais da planta da Nissan do Brasil em Resende/RJ. Durante as gestões anteriores, a Comissão existia mais para atender às exigências da NR 5, enquanto o trabalho de vigilância e prevenção ficava a cargo do SESMT.

“Desenvolvemos, então, um novo sistema, em que a CIPA seria mais participativa, eles fariam auditorias, teriam uma atuação maior na área. Reformulamos como era tocada a gestão da CIPA, implementamos várias atribuições para auditorias semanais, auditorias mensais, ajuda em investigações de acidentes, na avaliação dos perigos e riscos de uma área”, contou a técnica de segurança Patrícia Oliveira, integrante do SESMT da companhia.

O comprometimento da liderança com ações de SST é um dos destaques deste case, evidenciado tanto pela participação de gestores em ações do dia a dia e na SIPAT (Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho), quanto pelo presidente da CIPA durante as últimas três gestões – o diretor de Produção da empresa no país, Wesley Custódio.

Para o executivo, a segurança deve ser uma preocupação de todos. “Falamos diariamente em qualidade, cumprimento do volume de produção e outros indicadores, mas o que tem que estar na cabeça de todos é que o que vem em primeiro lugar na Nissan do Brasil é a segurança. Não existe nada mais importante do que o funcionário voltar para casa da mesma maneira, ou melhor do que chegou. A CIPA tem a função de nos ajudar a garantir isso. Não conseguimos estar presentes em todos os lugares, portanto, a CIPA deve ser o nosso olhar multiplicado em todas as áreas da planta”, ressaltou Custódio.

Outra iniciativa importante sugerida pelos cipeiros foi a criação de um concurso de paródias na programação da SIPAT, conhecida como Semana da Cidadania Azul na Nissan. O evento já contava com atividades sobre saúde da mulher, saúde do homem, organização do tempo, teste de segurança, EPI (Equipamento de Proteção Individual), bioimpedância entre outras.

Em 2017, foi realizado o primeiro “Concurso da Paródia da Segurança”, que contempla o vencedor com uma bicicleta e um final de semana de test drive com um Nissan Kicks. Além de promover integração e engajamento junto ao tema SST, a atividade estimula a participação de mais trabalhadores na SIPAT de forma divertida.

RESULTADOS

Em março, a fábrica da Nissan em Resende contabilizou 1.000 dias (12.892.053,73 milhões horas/homens) sem acidentes com afastamento, por meio dos programas para controle de riscos. Um dos principais é o “Programa de Quase Acidentes”, no qual qualquer trabalhador que presenciar uma situação com potencial para causar acidentes pode preencher um formulário e entregar a um gestor ou membro da CIPA, para que as ações sejam avaliadas e corrigidas.

O Programa registrou 56 mil ações preventivas no período. Essas e outras iniciativas têm mantido a planta de Resende como benchmark em segurança dentro da Nissan.

O fortalecimento da CIPA levou também ao sucesso do Plano de Ação – Gestão 2017/2018, com o cumprimento de 97%, ou 103 das 107 atividades sob a responsabilidade da Comissão. “O andamento das ações é acompanhado semanalmente, apresentado nas reuniões com a CIPA. Ali, todos ficam cientes do status, o que ainda está em aberto e o que precisamos dispender uma força maior para conseguir resolver”, explicou Patrícia.

Com a participação dos cipeiros, a fábrica atingiu zero não conformidades, tanto em auditorias internas realizadas pelo Departamento Global de Segurança da Nissan, quanto na recertificação da OHSAS 18001 (Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional), realizada em março de 2018.

Artigos relacionados

Prêmio Proteção Brasil 2019 – Categoria Atuação da CIPA

HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN Revitalização da CIPAEmpregando mais de 13 mil funcionários, além de oito mil médicos e três mil prestadores de serviço, a...

Prêmio Proteção Brasil 2019 – Categoria Formação e Comunicação em SST

SETA ENGENHARIAEvolução culturalTrabalhar as crenças - e comportamentos - para a construção de uma cultura prevencionista que alcance todos os integrantes da empresa é...

Prêmio Proteção Brasil 2019 – Categoria Gestão de Terceirizados em SST

IPIRANGA PRODUTOS DE PETRÓLEOAnjos da guardaO fortalecimento da cultura de segurança entre as prestadoras terceirizadas está entre as importantes conquistas do `Programa Padrinho da...

Prêmio Proteção Brasil 2019 – Categoria Segurança com Eletricidade

STERLITE POWER BRASILTransmitindo prevençãoAtuando no Brasil desde 2017, a Sterlite Power é um dos principais desenvolvedores globais de infraestrutura de transmissão de energia. Durante...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui