Unindo pessoas, pontas e pontos

Não é fácil viver plenamente e ser uma pessoa por inteiro. Parece que a toda hora querem nos dividir em fragmentos, em compartimentos. Como professora universitária um dos grandes desafios que tenho é ajudar os estudantes de medicina a juntar as “partes” dos pacientes, a fim de compor um único ser humano. Como preceptora de residência médica, meu papel é orientar os médicos recém-formados nas entrevistas (anamneses), para além do viciante binônimo queixa-conduta, avançando sobre todos os aspectos de suas vidas. Como profissional dedicada à saúde e segurança no trabalho há quase 30 anos, minha luta sempre foi ampliar o olhar para os trabalhadores, enxergando-os como as pessoas que são de verdade, não simplesmente como um “funcionário” que existe somente dentro dos limites da jornada de trabalho.

Compor é tarefa mais árdua do que decompor. Unir é mais difícil que dividir. Requer um genuíno interesse pelo outro, um olhar atento, uma escuta cuidadosa, um respeito às diferenças. Fundamentalmente, envolve gostar de gente. Eu gosto, sempre gostei. De gente, de livros e de bichos, geralmente nesta ordem.

Então, quando a Revista Proteção me convidou para escrever neste blog, dei uma balançada. De um lado, pensei: “caramba, já tenho tanta coisa pra fazer e vou arrumar mais uma?”, mas me deram aquilo que mais prezo – a liberdade. Com ela, pretendo fazer o que gosto – juntar pessoas, pontos e pontas. Assim, nasceu a proposta de criar este espaço de compartilhamento de histórias de vida e de trabalho, vividas de fato ou contadas de relato. Pode ser história que eu vivi pessoalmente, história enviada por leitores, relato de trabalhador. Pode ser filme, livro ou qualquer outra fonte de inspiração que a vida nos traz de presente. Partindo dessas histórias, vamos discutir questões de saúde, ambiente e trabalho. Principalmente, vamos refletir a respeito de nosso papel como profissionais da área. Se parece ousado, é porque assim é. Vamos juntos nessa?


O blog Histórias de Vida e de Trabalho busca no dia a dia, histórias vividas ou contadas, reais ou em filmes, que possam nos dar base para discutir temas de saúde e segurança do trabalho. Marcia Bandini é Médica, especialista em Medicina do Trabalho, doutora pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atua na área de saúde do trabalhador desde 1994, é docente da área de Saúde do Trabalhador no Departamento de Saúde Coletiva da Universidade Estadual de Campinas. Mãe, mulher, escritora, cinéfila, cinófila e ativista em prol de boas causas. 
[email protected]