quarta-feira, 10 de agosto de 2022

Erik Hollnagel

Artigo escrito por Ivan Rigoletto e Josué França

Oi, gente. Confesso que eu nutria a esperança de compartilhar da presença do número 1, vivo, de toda a filosofia e pensamento da Nova Visão de Segurança, o psicólogo Erik Hollnagel. Mas acho que tá ficando cada dia mais difícil de acontecer esse encontro físico. Sendo assim, não quero perder a chance de homenagear o cara em vida – embora talvez ele nunca venha a saber –  apresentando a vocês essa lenda viva e um dos pilares fundamentais da Nova Visão.

E não estou fazendo isso sozinho; trago o Josué França, que pertence ao grupo de pesquisa do Hollnagel, e já publicou alguns artigos com ele.

O Hollnagel é um psicólogo dinamarquês, já na casa dos seus 80 anos, que há muito contribui para a área da segurança. Começou seus trabalhos na Universidade de Aarhus, no Centro de Pesquisa de Risø, sendo orientado pelo próprio Jens Rasmussen (veja um dos posts anteriores onde eu apresentei o Rasmussen), chefe deste centro e com quem trabalhou durante muito tempo.

Como pesquisador, fez uma importante contribuição na área de confiabilidade humana, criando a metodologia CREAM (Cognitive Reliability and Error Analysis Method) no final dos anos 90. Mas aí, o cara percebeu que com a evolução dos ambientes de trabalho (tornando-se verdadeiros sistemas sociotécnicos complexos!) era necessário mudar, pois somente estudar o indivíduo já não era mais suficiente. Da mesma forma que os ambientes de trabalharam evoluíram, a segurança também deveria evoluir, o que fez com que ele criasse, no início da segunda década dos anos 2000, o FRAM – Functional Resonance Analysis Method, que é o que o Josué estuda com ele.

Essa metodologia permite uma análise dos sistemas de trabalho, na medida de sua complexidade, quer seja quando nada acontece (trabalho normal), quer seja quando algo dá errado (acidente), pavimentando, na teoria e na prática, o caminho para a evolução da segurança!

E por falar em evolução, em plena produtividade, poucos anos depois, ele se tornou o pai do que a gente chama de Safety-II, uma abordagem sistêmica e inovadora da evolução da segurança, que questiona um dos paradigmas mais antigos – e mais errados – que é quase secular da culpabilidade do indivíduo, do trabalhador, passando a descrever a necessidade real de uma análise sistêmica e abrangente, uma vez que além da dimensão individual, há também outras, como a tecnológica e a organizacional. Esta última, em especial, tem se mostrado, por meio de estudos recentes, como a maior causa dos acidentes em ambientes de trabalho complexos, e não o chamado ato inseguro, nascido na década de 30 e repetido por anos e anos.

O Hollnagel também acabou influenciando demais o que hoje chamamos de engenharia de resiliência, mas isso eu vou discutir num outro post.

E no Brasil? Bem, aqui, o Erik Hollnagel fez diversos trabalhos, em parceria com diversas universidades, centros de pesquisa e empresas, semeando em terreno fértil latino conceitos importantíssimos para as novas visões de segurança. E desta semeadura, assim como ele foi orientado pelo Jens Rasmussen e continuou seu legado, ele orientou o Josué, que ainda tem uma carreira brilhante pela frente e a missão de perpetuar o legado do Hollnagel para no mínimo mais uma geração – toda uma visão de vanguarda na área de segurança. E isso é suficiente? Mas é claro que não! Há ainda muito trabalho, muito o que fazer, pois há ainda barreiras conceituais, pessoais, legais e organizacionais para a evolução da segurança. Mas isso não deve nos assustar; pelo contrário, nos estimula a seguir estudando, aprendendo, evoluindo, enfim buscando hoje e sempre o melhor caminho, a melhor solução, para a segurança no trabalho.

Ah, e quem quiser ouvir o próprio Hollnagel com legenda, tem três vídeos super 10 – uma entrevista com o Hugo Ribeiro, uma aula dele na Fiocruz e uma parada para um cafezinho. E quem quiser conhecer os artigos dele com o Josué, eles estão todos aqui, no ResearchGate dele. Vale cada leitura!

Como dizem nas Minas Gerais, prazerão, prof. Hollnagel!


Uma nova visão de segurança se propõe a discutir o futuro da segurança no trabalho, cada vez mais multidisciplinar e inclusivo. Ivan Rigoletto é engenheiro químico e de segurança do trabalho, mestre em Engenharia Civil, MBA em Gestão Empresarial e doutor em Engenharia Mecânica. Está na indústria há mais de 30 anos, a metade como executivo de Segurança e ESG. É professor universitário, autor e coautor de diversos livros e artigos. Foi condecorado pelo Corpo de Bombeiros de Campinas. Estreia como articulista regular no blog da Proteção.
[email protected]

Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui